Como Ganhar Dinheiro em Épocas de Crise?

Olá amigos!!

Nesse primeiro post vamos falar sobre como ganhar direito em época de crise. Complicado nao é mesmo?

É verdade que o pior da crise talvez já tenha passado, mas isso não significa que o país tenha voltado à estabilidade. O índice de desemprego segue em alta, a inflação tem previsão para fechar o ano não muito menor que 2016 e o nosso Produto Interno Bruto (PIB) deve ficar estagnado.

Diante de tudo isso, a perspectiva é de fraco crescimento até dezembro, conforme indica o relatório Situação Econômica Mundial e Perspectivas 2017, divulgado pela Organização da Nações Unidas (ONU) em janeiro.

A ONU prevê que, depois de uma queda de 3,2% no ano passado, a economia brasileira volte a crescer, ainda que de forma modesta: 0,6%. Já para 2018, o cenário melhora, mas deve ficar longe do ideal, com avanço projetado de 1,6%. Segundo a organização, essa retomada lenta é reflexo de “uma das mais profundas recessões” que o Brasil viveu nos últimos dois anos.

 

vencer a crise

O Blog Conta Azul  preparou um incrível post sobre o tema e deu 9 dicas de como ganhar direito com a crise, veja:

1. Alimentos e bebidas

Mesmo em tempo de crise, ninguém deixe de se alimentar, não é mesmo? O Sebrae lembra que as pessoas podem fazer ajustes no cardápio, buscar alternativas mais baratas, mas o consumo permanece. A entidade lista algumas das opções de negócios promissores nessa área.

  • Comércio de alimentos e bebidas
  • Representação comercial
  • Preparação de alimentos
  • Comida preparada
  • Restaurantes populares
  • Lanchonetes
  • Produtos de panificação
  • Laticínios
  • Doces
  • Refeições.

2. Vestuário

Da mesma forma que na alimentação, as pessoas não deixam de consumir roupas e acessórios. Além de representar uma necessidade, dada as mudanças de estação, tem ainda o componente estético: o brasileiro gosta de se vestir bem. Uma prova disso é que o Sebrae indicou esse tipo de negócio entre aqueles demaior taxa de natalidade em 2016.

  • Confecção
  • Comércio de vestuário e acessórios do vestuário
  • Comércio de bijuterias.

3. Serviços de saúde

Por mais que o brasileiro tenha feito ajustes no orçamento e reduzido os gastos ao máximo, fica difícil poupar quando é a saúde que está em jogo. Esse fato, por si só, explica por que serviços destinados a cuidar melhor do corpo e da mente permanecem em alta no país.

  • Consultório médico
  • Serviços ambulatoriais
  • Fisioterapia
  • Nutrição
  • Venda de planos de saúde
  • Comércio de medicamentos
  • Comércio de artigos de ótica.

4. Produtos/serviços inovadores

Se você já tem uma empresa, sabe bem como a crise gera a necessidade de apertar ainda mais os gastos. Para um empreendedor, não é diferente do que acontece na casa do cidadão comum.

É por essa razão que oferecer produtos e serviços que permitam aumentar a eficiência produtiva e a redução de custos nas empresas são uma sugestão do Sebrae entre os negócios promissores de 2017.

A entidade não lista sugestões, pois a inovação deve partir de você.

5. Serviços de reparação

Esse setor resume bem como ganhar dinheiro na crise. Até 2014, conforme lembra o Sebrae, o país vivia um momento totalmente diferente e houve grande ascensão das classes mais baixas. Isso resultou no maior consumo de eletrônicos, de eletrodomésticos e de automóveis, entre outros bens.

Com a crise batendo na porta do brasileiro, é mais econômico agora reparar os itens que precisam de conserto do que adquirir novos. É aí que cresce a procura por esse tipo de serviço.

  • Reparação e manutenção de veículos usados
  • Manutenção de máquinas e equipamentos
  • Comércio de peças e acessórios para veículos usados.

6. Estética/beleza

A crise até pode deixar o brasileiro menos gastador, mas a vaidade não acaba. E não são apenas as mulheres que gostam de cuidar da beleza, pois o público masculino cada vez mais faz uso de produtos e serviços na área estética. A isso, se soma o fato de atividades ligadas à higiene pessoal estarem em alta, conforme destacou o Sebrae.

  • Cabeleireiros
  • Comércio de cosméticos
  • Comércio de produtos de perfumaria e higiene pessoal.

7. Serviços especializados

O mercado não costuma fechar as portas para quem se especializa. Mesmo na crise, há demandas inadiáveis, para as quais é preciso contar com umaassessoria técnica. Nesses casos, o conhecimento é insubstituível e, por isso, o Sebrae relaciona alguns serviços que seguem em alta mesmo em meio à economia instável.

  • Serviços advocatícios
  • Serviços de engenharia
  • Serviços de comunicação
  • Serviços de gestão empresarial
  • Serviços de apoio administrativo
  • Serviços de contabilidade
  • Serviços domésticos
  • Serviços com foco na 3ª idade.

8. Informática

O mundo é cada vez mais online. Com tantos processos sendo realizados através de computadores, esse equipamento acaba funcionando como o cérebro de muitas empresas. Isso sem falar no seu uso doméstico. Não se engane achando que o celular irá substituir por completo a máquina. Ela continua sendo essencial, assim como a sua manutenção e reparação.

  • Serviços de manutenção e reparação de computadores e equipamentos de informática
  • Produção de softwares
  • Comunicação multimídia.

9. Construção

Enquanto houver espaço, as cidades continuarão crescendo e a construção civilse manterá em alta, movimentando toda uma cadeia ligada direta ou indiretamente às obras. E é preciso lembrar ainda das reformas e serviços de reparação, já que na crise costuma ser mais barato consertar do que buscar algo novo.

  • Comércio de material de construção
  • Manutenção e reparação
  • Pintura
  • Pequenas reformas de imóveis
  • Instalações elétricas
  • Instalações hidráulicas
  • Obras de acabamento
  • Artigos de serralheria
  • Móveis de madeira
  • Manutenção de sistemas de ventilação e refrigeração.

oportunidade de negocios

Planeje ganhar dinheiro na crise

Empreender por oportunidade e não por necessidade é o melhor caminho para ter um negócio de sucesso. Isso significa que, mais do que abrir uma empresa porque perdeu lugar no mercado, o ideal é ter uma proposta que atenda a uma demanda identificada.   ”

Outro dia estive pensando sobre esta questão do empreendedorismo. Tenho uma prima que perdeu o emprego no início do ano passado, sendo que seu esposo também já estava desempregado. Foi aí que ela teve a ideia de tentar trabalhar como manicure, pois este é um mercado que nunca esta em crise.

Ela buscou um curso de manicure online, se qualificou e se tornou uma excelente profissional!

Portanto, a dica é: não desista e seja criativo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *